03 dezembro 2014

3 de dezembro - Dia Internacional do Não Uso de Agrotóxicos

Os agrotóxicos, todos os dias matam homens, mulheres, crianças, pelas mãos invisíveis dos assassinos silenciosos fabricados pelas multinacionais dos agroquímicos

Herbicidas - charge de Latuff
O termo agrotóxico não é utilizado pelo setor empresarial que faz questão de denominar os biocidas de “defensivos agrícolas”. Essa palavra está carregada de intencionalidade de marketing, cujo objetivo é convencer os agricultores de que esses produtos atuam somente para impedir a ação de organismos que poderiam causar prejuízos econômicos, ocultando os riscos inerentes a essas substâncias para o meio ambiente e para a saúde humana. Sob essa denominação, a nova tecnologia é “ensinada” nas faculdades de agronomia, veterinária, biologia, zootecnia e nas escolas técnicas agrícolas com forte patrocínio das empresas químicas, constituindo um corpo ideológico de interesse de mercado.

Outros termos empregados são: pesticida, que vem da tradução da palavra do inglês pesticide, e praguicida. Ambos exprimem a idéia equivocada do efeito biocida apenas nos agentes patógenos indesejáveis e ocultam o lado dos riscos negativos para a saúde e o ambiente. Aludem a um efeito seletivo, que não é real, como se houvesse controle do alvo a que se destina o produto, quando na verdade podem agir também em outros organismos vivos, incluindo o ser humano, e produzir efeitos não desejados. A palavra “biocidas”, bem menos utilizada, significa “matar a vida” e seria a melhor denominação para essas substâncias, uma vez que este é de fato sua função e para tal são produzidos.

Tanto no campo quanto nas cidades, os agrotóxicos são comumente chamados de “veneno” ou “remédio”. O termo “veneno” é atribuído a esses compostos, pelos próprios trabalhadores rurais, que durante anos vêm observando efeitos nocivos dos biocidas a saúde humana e animal. Já “remédio” é o termo utilizado por vendedores e técnicos ligados à indústria química, na tentativa de passar a idéia que os agrotóxicos são “remédio para a planta”.

Brasil - o maior consumidor de venenos agrícolas do mundo
O modelo agrícola adotado no Brasil, especialmente para as monoculturas, desde a Revolução Verde e a Modernização Agrária instituída na década de 60, reúne as seguintes características: mecanização; práticas agrícolas químico-dependentes; irrigação e concentração de terras.

Geralmente, quando se pensa em agrotóxico a primeira associação feita é com seu uso na agricultura. Porém vale ressaltar sua crescente utilização nas áreas urbanas, principalmente os inseticidas domésticos adquiridos em supermercados, que possuem uma grande diversidade de produtos, princípios ativos e marcas, bem como os utilizados pela saúde pública.

A utilização de biocidas de maneira indiscriminada causa também a destruição dos agroecossistemas formados pela complexa interação entre parasita e predador, colheita, animais de pastos e o homem, uma vez que a eliminação de alguns elementos dessa cadeia, considerados “controles naturais de pragas”, pode levar a um considerável aumento desses parasitas em determinadas regiões. Isso ocorre porque ao se utilizar agrotóxicos pode haver a destruição dos “controles naturais” e resistência de parasitas. Por conta disso utilizam-se agrotóxicos com outros princípios ativos, que podem causar a destruição de outros “controles naturais” e nova resistência, entrando assim num “ciclo vicioso”.


O uso descontrolado dos agrotóxicos leva a uma expansão dos riscos, fazendo com que as populações não diretamente vinculadas com a cadeia produtiva dessas substâncias também se exponham em função da contaminação ambiental e dos alimentos, tornando a problemática dos agrotóxicos uma questão ainda mais grave de saúde pública. Os usos dos agrotóxicos são um problema de dimensões alarmantes, uma vez que comprometem não só a saúde, mas também o ambiente. Na Austrália, por exemplo, a redução da biodiversidade, causada pelo uso de agrotóxicos, pode ser avaliada pelo decréscimo das populações de anfíbios. Nesse país há um dito popular: “Choro dos sapos se calou com a chegada dos agrotóxicos”.

A capina química é uma prática que vem crescendo de forma acelerada e é muito utilizada no controle de plantas daninhas e na questão de limpeza em áreas urbanas, porém de forma irregular como preconiza a ANVISA (Agencia Nacional de Vigilância Sanitária). Pela questão de tempo e condicionamento físico dos trabalhadores que utilizam esta prática, ela vem ganhando cada vez mais espaço na hora de decidir qual melhor forma de fazer a limpeza de uma área. Enquanto que na capina mecânica uma área que era devastada em horas ou dias na capina química esse período de tempo diminui consideravelmente. Na maioria das vezes essa prática é feita de forma desordenada por trabalhadores que não tem o mínimo de cuidado na hora do preparo e nem uma preocupação com a questão de sua própria segurança na atividade em que ele está realizando. Esta prática resume-se na aplicação de herbicidas na área em que se pretende fazer o controle das plantas indesejáveis

Nos municípios existem trabalhadores informais que são contratados para cuidarem das aplicações de herbicidas nas residências, por não serem supervisionados, estes trabalhadores agem de forma clandestina e irresponsável, colocando em risco a saúde das populações, bem como a integridade da flora e da fauna

Você sabe o que tem no seu alimento?
A percepção dos riscos inevitáveis que podem ocorrer com o mal uso de herbicidas para eliminação das ervas invasoras é fundamental para a consciência popular. Não há nenhuma fiscalização por parte do poder público no sentido de combater essa prática predatória e devastadora que pode não só extirpar a flora e fauna de determinadas áreas como também a interferir na saúde da população.

A Lei 6.288/02 aprovada pela câmara dos deputados em 12/08/2009 proíbe capina química em área urbana. A partir de 15/01/2010, a ANVISA também proíbe a aplicação de herbicidas em área urbana.

PORTARIA nº 16/1994. Art. 1º - O uso de herbicidas para a capina e limpeza de ruas, calçadas, terrenos baldios, margens de arroios e valas fica expressamente proibido em todo o território do Rio Grande do Sul.

Querem aprovar uma lei que permite depósitos de venenos ao lado de residências no RS
A ANVISA levantou dados junto às áreas técnicas da Agência, a diversos segmentos da sociedade, e de outros órgãos do SUS para verificar a veracidade do alerta de uso indevido de agrotóxicos em zona urbana, e evidenciou-se que a regulamentação dessa prática não se revelava o melhor caminho na busca da proteção e da defesa da saúde da população brasileira. Em qualquer área tratada com produto agrotóxico é necessário isolamento completo do local por no mínimo 24h, para impedir que pessoas entrem em contado com o agrotóxico aplicado. Segundo a ANVISA, em ambientes urbanos, este período de isolamento é impraticável, pois não há meios de assegurar que toda a população seja adequadamente avisada sobre os riscos que corre ao penetrar em um ambiente com agrotóxicos, “cabe ressaltar que crianças, em particular, são mais sujeitas às intoxicações em razão do seu baixo peso e hábitos, como o uso de espaços públicos para brincar, contato com o solo e poças de água como diversão”, ressalta.
A Agência destaca que cães, gatos, cavalos, pássaros e outros animais podem ser intoxicados tanto pela ingestão de água contaminada como pelo consumo de capim, sementes e alimentos espalhados nas ruas, onde se lança os agrotóxicos.
A ANVISA informa que há no mercado produtos agrotóxicos registrados pelo IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) identificados pela sigla “NA” como agrotóxicos de uso Não-Agrícola. “Estes produtos registrados pelo IBAMA apenas podem ser aplicados em florestas nativas, em ambientes hídricos (quando assim constar no rótulo) e outros ecossistemas (além de vias férreas e sob linhas de transmissão)”, destaca. Dessa forma, a prática da capina química em área urbana não está autorizada pela ANVISA ou por qualquer outro órgão, “não havendo nenhum produto agrotóxico registrado para tal finalidade”, conclui.

Organismos geneticamente modificados usam ainda MAIS venenos
A falta de uma política efetiva de fiscalização, no acompanhamento técnico e no controle de agrotóxicos na região, que é integrada no mercado globalizado, revela que o parâmetro que interessa aos tomadores de decisão é apenas o da produção. A saúde e o ambiente estão longe de uma atenção adequada.

Como podemos educar as nossas crianças para um modo de vida sustentável que contemple entre outras coisas: alimentação orgânica, uso racional da água, consumo consciente, coleta seletiva, etc.; se de forma indireta, colocamos esses indivíduos em contato com produtos que irão lentamente se acumular nos seus corpos e um dia, talvez não muito distante, irá lhes causar sérios danos à saúde? Aquela velha figura do jardineiro que atendia a domicílio e utilizava ferramentas como tesoura de poda, oncinha, rastelo, entre outros, parece estar em extinção.

A capina química em áreas urbanas expõe a população ao risco de intoxicação, além de contaminar a fauna e a flora local. Por esse motivo, tal prática não é permitida.

Julio Cesar Rech Anhaia-Engº Agrº-03 de dezembro de 2014

26 novembro 2014

O cidadão também tem que preservar

Escadaria da Rua João Manoel em 5 de janeiro de 2008 - Foto: Cesar Cardia
Escadaria da Rua João Manoel
Rua Fernando Machado, s/n - Centro Histórico de Porto Alegre

Construída em alvenaria de tijolos e pedra, ascende da rua Cel. Fernando Machado à rua João Manoel, nas proximidades da rua Duque de Caxias.

Os três primeiros lances são centrais e ladeados por muretas baixas, pilaretes e ajardinamento. A partir do terceiro lance os degraus descentralizam-se e, divididos, evoluem nas laterais, com peitoril em ferro trabalhado.

Os degraus sobem contornando e unem-se novamente para outro lance centralizado na escadaria, chegando ao belvedere.

A mureta, balaústre que delimita a escadaria e o belvedere transversalmente, são em alvenaria com tratamento em vazados e balcão de apoio, diferenciando-se das muretas ao nível da rua Cel. Fernando Machado que são lisas.

O sistema pluvial para o escoamento da água da chuva consiste em orifícios dispostos a menos de 1/3 da altura das muretas, em diferentes níveis da escadaria.


Teresa Flores, a madrinha da Escadaria

Teresa, residente na Fernando Machado, é a a pessoa que mais luta pela preservação da Escadaria

Em 2007 surgiu o antigo Movimento Viva Gasômetro, no Centro Histórico de Porto Alegre, que objetivava lutar pela melhoria de Qualidade de Vida no Centro, especialmente no entorno da Usina do Gasômetro. O atual Viva Gasômetro muito pouco tem a ver com o antigo Movimento.
Markinho Binatti em ação na Praça do Aeromóvel

Em dezembro de 2006 algumas pessoas decidiram protestar contra o estado de abandono da Praça Julio Mesquita (Praça do Aeromóvel), que tinha muito lixo acumulado e grande quantidade de ratos, fizeram um ato de protesto e convidaram o pessoal da AMABI e dos Amigos da Gonçalo de Carvalho para participarem. Como o convite feito por e-mail por um dos coordenadores do ato, Christian Lavich Goldschmidt, chegou quase na véspera do ato, não foi possível comparecer. Porém em fevereiro de 2007 entramos em contato com eles para tentar auxiliar o novo Movimento, que como nós estavam preocupados com o Meio Ambiente, problemas urbanísticos e a qualidade de vida na cidade.

Teresa na Escadaria da João Manoel
Na realidade o Movimento não existia, haviam feito um ato de protesto e algumas poucas pessoas se reuniam para trocar ideias sobre o que poderiam fazer, mas sem nenhuma estrutura nem planejamento. Na primeira reunião que compareci, levando material da AMABI e Amigos da Gonçalo de Carvalho, conheci pessoalmente a Jacqueline, Christian, Breno (artesão e vizinho da Jacqueline) e apareceu a Teresa, moradora da Rua Fernando Machado, que já comparecia para essas conversas em frente da Praça do Aeromóvel. Já nesse primeiro dia ela reclamou do estado da escadaria da João Manoel, disse que a tradicional escadaria estava toda pichada, suja, tinha virado ponto de tráfico e consumo de drogas, refúgio de malfeitores e que a prefeitura nada fazia para mudar esse estado deplorável. Disse que com a chegada de gente e mais experiente o Movimento poderia decolar e então atuar também para melhorar a escadaria da João Manoel, mesmo que ela não ficasse tão "pertinho" do Gasômetro.

Escadaria no dia 18/4/2007

Moradores de rua, pichações e muita sujeira

Muitos nem percebem a beleza que está escondida no Centro

DMLU lavou a escadaria de alto a baixo

Muito lixo retirado e muita água foi usada

Outras reuniões aconteceram depois, algumas sugestões para tornar o Movimento visível - como a criação de endereço de e-mail, Blog, estrutura organizacional, lista de prioridades e peças gráficas de divulgação - foram aceitas. Porém foi decidido que o Movimento não teria uma única pessoa na coordenação, quase todos os participantes seriam considerados oficialmente como coordenadores, menos eu que recusei por já participar ativamente da AMABI e dos Amigos da Gonçalo. Então a coordenação do novo Movimento era composta por Jacqueline, Christian, Teresa, Breno, uma jornalista chamada Suzana e a arquiteta Mara Gazola. 

Na Duque de Caxias, esquina com João Manoel, o hoje abandonado palacete da família Chaves Barcellos

Em abril de 2007 a Teresa Flores insistiu que o Movimento Viva Gasômetro participasse da limpeza da escadaria, já havia tretado do assunto com alguns moradores da região e donos de um restaurante que então existia na João Manoel, bem no limite da escadaria. Até a data já estava acertada, bastava o Movimento participar para dar mais visibilidade ao ato e pedir o auxílio do DMLU para recolher o lixo e lavar todo o local.

No dia 21/4/2007 iniciou a pintura com cal

A cidadania em ação

Teresa acompanhava tudo, muito contente

Vai ficar bonita novamente, dizia o pessoal do restaurante

Deu trabalho, mas os voluntários estavam muito satisfeitos

Arquiteta Mara Gazola também fez sua parte

Isso foi feito. No dia 18 de abril o Departamento Municipal de Limpeza Urbana limpou e lavou a escadaria e no dia 21 integrantes do antigo Movimento Viva Gasômetro, moradores e o pessoal do Restaurante Autêntico Sabor pintaram com cal toda a escadaria. Saiu até matéria na capa no jornal Correio do Povo. 
"Mutirão limpa escadaria", foi a manchete do Correio do Povo

Com o exemplo dado pela cidadania, a prefeitura passou a limpar e lavar a escadaria mais seguidamente e em 5 de janeiro de 2008, aconteceu um ato simbólico de "energização" com ervas e pétalas de flores, pela Ialorixá Cenira do Xangô na escadaria pintada pela prefeitura municipal, sempre com o acompanhamento da Teresa Flores, a "madrinha" da Escadaria da Rua João Manoel.

Trecho da João Manoel entre a escadaria e Duque de Caxias

A escadaria no dia 5 de janeiro de 2008

A escadaria no dia 5 de janeiro de 2008

A escadaria no dia 5 de janeiro de 2008

Energização com ervas e pétalas de flores em 05/1/2008

Energização com ervas e pétalas de flores em 05/1/2008

Energização com ervas e pétalas de flores em 05/1/2008

Energização com ervas e pétalas de flores em 05/1/2008
O problema é que esse tipo de ação pontual não resolve o estado de abandono da escadaria da João Manoel. Se mais pessoas se envolvessem, cuidando, denunciando os atos de vandalismo e pressionando as autoridades, tudo seria mais fácil. Os "cuidadores da cidade", na sua grande maioria são pessoas com mais idade e os jovens parecem ter outras prioridades, poucos participam desse tipo de ações.

(Cesar Cardia - integrante do Movimento Amigos da Rua Gonçalo de Carvalho)
Todas as fotos das ações na Escadaria: Cesar Cardia/Amigos da Rua Gonçalo de Carvalho


A história da Escadaria

Na época de sua construção, sem os altos prédios no entorno

Durante a administração de Alberto Bins foram implantadas várias melhorias, buscando resolver os problemas viários, sanitários e de embelezamento da cidade de Porto Alegre seguindo o “Plano Geral de Melhoramentos” proposto em 1914 por Moreira Maciel. Uma das estratégias do plano consistia no saneamento e adaptação do antigo centro colonial às novas condições urbanas, levando em conta higiene e circulação. A área colonial de Porto Alegre se configurava entre o Mercado Público e a ponta da península, tendo como centro a Praça da Matriz, no ponto mais alto da cidade. Algumas ruas, em áreas de grande declive, se tornaram impossíveis de transitar, gerando becos que não permitiam a circulação e ainda acabavam servindo como depósitos clandestinos de lixo.


Este era o caso da Rua General João Manoel, no trecho de ligação entre a Rua Fernando Machado e a Duque de Caxias, que terminava em um barranco intransitável no antigo Morro da Formiga. Do arruamento original da Vila de Porto Alegre, a ladeira preocupava o município desde 1883, quando surgiu a proposta de urbanizar o trecho. Porém o alto custo inviabilizou o projeto de ser executado, “sendo feita, entretanto, a demarcação para evitar que se construa qualquer obra”. Em 1922, conforme relatório do Intendente José Montaury, foram plantados 20 jacarandás.
Em 1929, um local para apreciar a paisagem


A Rua Duque de Caxias era uma das mais elegantes da capital, onde se localizavam as residências das famílias mais abastadas da cidade, o Palácio Piratini e a Catedral Metropolitana. O beco localizado naquela área trazia imenso prejuízo ao saneamento e visual da região, como explicou Alberto Bins no Relatório de 1929:

“A zona compreendida entre o alto do morro e a rua Fernando Machado, aberta e abandonada, era receptáculo de clandestinos despejos de lixo e de juncções de toda a natureza, com grave danno a hygiene daquella zona.”

A solução foi criar um belvedere com escadaria, uma vez que o barranco exigia rampas com mais de 25% de inclinação O projeto, elaborado em 1928, ficou a cargo da Seção de Desenhos da Comissão de Obras Novas, chefiada por Christiano de La Paix Gelbert, que assina o projeto. O Plano de 1914 previa o alargamento da Rua Gal. João Manoel para 18 metros, mas no relatório apresentado pelo prefeito ele justifica que seria mais conveniente deixar a rua como era e alargar e prolongar a Travessa Araújo. Ele explica que essa ideia surgiu depois do projeto pronto, já que esta seria a solução mais econômica. Nem no projeto, nem no Relatório de Moreira Maciel existe citação sobre o prolongamento da Rua Gal. João Manoel até a Rua Fernando Machado, o que provavelmente foi uma melhoria proposta pela Comissão de Obras Novas.
Nos anos 60 a cidade crescia e a escadaria se deteriorava

O projeto da escadaria se divide em três partes, sendo o seu início na Rua Duque de Caxias formado por um lance de escadaria central, com largura de dois metros, ladeado por dois taludes de grama. O acesso à escadaria se dá por duas praças laterais, com uma balaustrada geométrica, na qual dois bancos permitiam que se contemplasse a vista da Orla do Guaíba, numabela paisagem que hoje é interceptada por altos edifícios e pelo aterro. O primeiro lance chega a um amplo patamar do qual a escada é dividida em dois lances mais estreitos, contornando um grande terraço de 36 metros quadrados e criando um pórtico em forma de arco conformado pelo desnível da escada. Nesta parte, a balaustrada é substituída por um corrimão de ferro, também com linhas retas, proporcionando uma visão mais ampla da paisagem que se descortina para quem circula.
Altos prédios vão escondendo a escadaria

A terceira parte é formada por mais três lances centrais com largura de dois metros interceptados por patamares “naturais”, sem calçamentos e com inclinção de 5% que, segundo Bins, eram cobertos com areia grossa. A mesma balaustrada fechada, que acompanha o último lance da escadaria, faz o fechamento na chegada à Rua Cel. Fernando Machado.

A obra foi executada pela firma de Theo Wiederspahn, que venceu a concorrência, tendo início em 28 de agosto de 1928 e fim em 3 de fevereiro de 1929. A tradicional família Chaves Barcellos custeou um terço da despesa total da obra, uma vez que eram donos de dez terrenos na Rua Fernando Machado, atingindo toda a extensão da rua, queriam murá-los e edificar no alinhamento.

A escadaria foi tombada pelo Município como Patrimônio Histórico, com a intenção de preservar a identidade do centro de Porto Alegre. Além da importância arquitetônica, o belvedere teve importante influência na vida da população de Porto Alegre, conforme Instrução de Tombamento da EPAHC:
“Ele proporcionou a artistas plásticos e poetas inspiração para seus trabalhos. Os moradores da redondeza e os transeuntes se detinham a admirar a paisagem, principalmente pelo belo pôr-do-sol do Guaíba.”

O crescimento da cidade influenciou o entorno da escadaria, que passou a abrigar edifícios altos, mudando completamente sua percepção. Nestes anos, muita história envolveu a escadaria. O Plano Diretor de 1959 previa a construção de um túnel que demoliria a obra, mas o projeto foi abandonado pela municipalidade devido a sua inviabilidade. Uma paineira que se localiza junto à escadaria, hoje entre dois edifícios, conseguiu sobreviver às mudanças após movimentos em prol desua preservação. Hoje, bastante escura e deteriorada por limo e pichações, pouco mostra de seu aspecto original que se criou na década de 30, mas resiste como parte de uma época na qual seu percurso estava ligado ao desfrute visual da paisagem.


Fonte: trabalho de Taísa Festugato, em setembro de 2012 – "A arquitetura de Christiano de La Paix Gelbert em Porto Alegre (1925 – 1953)" – Programa de Pesquisa e Pós-graduação em Arquitetura – PROPAR

Link para acessar ao trabalho completo da Taisa Festugato: 

17 novembro 2014

Foi retirada a postagem "A fraude no Pontal do Estaleiro"

O texto de autoria do jornalista Najar Tubino postado no site da EcoAgência e repostado em nosso Blog em 29 de janeiro de 2009, foi retirado de nosso Blog.
O motivo?
Segundo o e-mail recebido do Sr. Rui Pizzato, da BM PAR Empreendimentos, ele contém inverdades relacionadas ao leilão da área do antigo Estaleiro Só. Como o Sr. Najar Tubino não respondeu ao nosso pedido de esclarecimentos, nem se dignou a acusar o recebimento de nosso e-mail e também pelo fato da matéria não estar mais disponível no site da EcoAgência, julgamos que as colocações do Sr. Pizzato são plenamente aceitáveis. Tudo nos leva a crer que foram colocadas algumas inverdades no texto publicado em janeiro de 2009.
Repetindo o que postamos em 29 de outubro de 2014, julgamos fundamental a busca da verdade e o direito ao contraditório. Não apoiamos inverdades mesmo que venham ao encontro de nossas posições de não permitir construções na Orla do Guaíba.

(Cesar Cardia - administrador do Blog Amigos da Rua Gonçalo de Carvalho)


Leia mais sobre o polêmico projeto "Pontal do Estaleiro":
Audiência pública rechaça Pontal do Estaleiro

A Polêmica da Orla do Guaíba

Três anos da vitória do NÃO ao Pontal